sexta-feira, 8 de abril de 2011

Mini-análise Filmes: Mundo Surreal (Sucker Punch - 2011)


Título brasileiro: Sucker Punch - Mundo Surreal
Título original: Sucker Punch
Ano: 2011
Gênero: Ação / Aventura / Fantasia / Suspense
Tipo: Filmes
Duração: 110 minutos (1:50)
Site do IMDB: http://www.imdb.com/title/tt0978764/
Nota do IMDB:
6.6/10 (19000+ votos)

Harô, guys. Estou aqui de volta com mais uma analisezinha pra vocês.

Já comentei o quanto sou um cinéfilo de carteirinha e pra ser cinéfilo de carteirinha tem que estar disposto a assistir qualquer tipo de filme, independente do seu gênero ou... bem... o quão louco ele seja.

Não que eu tenha nada contra isso. Já manifestei minha opinião sobre filmes que envolvem loucura em outras postagens. Aliás, eu falo tanto disso que chega a ficar chato. Isso não vem ao caso de qualquer forma.

O que vem ao caso de verdade é o fato de que eu estou disposto a assistir a qualquer tipo de filme. Sério, sou o cara mais fácil de ser levado ao cinema. Comigo o problema não é de eu pré-julgar um filme e sim apenas financeiro.

Não só isso como um filme me empolga com certa facilidade. Com Sucker Punch mesmo foi assim.


A imagem acima demonstra parte do que esperar.

Enrolação em menos de 1000 caracteres, estou virando um profissional!

Sucker Punch, ou traduzido como "Mundo Surreal"...

...você provavelmente esteja esperando que eu critique a tradução brazuca, que ela é uma porcaria, não faz sentido, "no que eles estavam pensando" ou "que porcaria eles estavam usando quando fizeram tal tradução?", mas dessa vez irei me abster de comentários. Meu coração não aguenta muito mais não.

Mas enfim, "Mundo Surreal" ficou famoso há quase um ano atrás, quando foi lançado seu primeiro trailer. A proposta do filme era de mostrar abusadamente o chamado "Steampunk", termo muito utilizado em jogos que misturam épocas.

Isso significa robôs gigantes lutando a primeira guerra mundial, uso de espadas em um mundo tecnologicamente avançado, armaduras da idade média que não parecem nada úteis contra tiros, mas sendo utilizadas como se fossem de primeira linha... esse tipo de coisa. Chamado muito pelo povo de "mistureba".

Parecia além de tudo ser um filme de ação divertido o suficiente para eu não xingar seus produtores e os donos do cinema pelo absurdo pago pelo ingresso e era mesmo?

Vamos pela ordem.


É, pela ordem. Costumo fazer isso o tempo todo. Não se espantem.

Eu não achava que tinha, mas Sucker Punch tem um enredo e este não é tão simples como parecia. Basicamente o filme começa com uma "luta" entre a protagonista (que até então não tinha nome) e seu padrasto. No meio do processo esta acaba matando sua própria irmã e, com isso, é levada a um sanatório pelo próprio padrasto.

Logo se descobre que tal lugar não visa o tratamento de loucos e sim o lucro. Tudo o que vão fazer com a protagonista não é nenhum tratamento contra a sua suposta loucura e sim o benefício pessoal de seu stepfather.

É, eu fiquei impressionado quando vi que o filme criticava alguma coisa.

Acaba que após um "negócio fechado", ela é levada para a sala de lobotomia...

...ok, pequena parte de curiosidades sobre esse post: Lobotomia é um processo cirúrgico que visava tratar pacientes com esquizofrenia. Na teoria, o paciente melhorava e voltava a ser "normal". Na prática, isso servia apenas para calar a boca de pessoas que não conseguem nem mesmo comer sem a ajuda de alguém, apenas para que esta "parasse de incomodar de forma excessiva as pessoas que cuidam dela".


Esses soldados também estão loucos pra comer... nos dois sentidos.

O processo levava muitas pessoas a ficarem em estado vegetativo e outras mudavam completamente de personalidade, como se fosse plantado um novo cerebro. Enfim, o processo teve mais fracassos do que sucessos e tais sucessos ainda eram bastante relativos.

De cirurgico o processo não tinha nada. Era basicamente uma martelada no cerebro para destruir as ligações de seus lobos.

Sim, o ser humano é um grande filha da puta. Só de lembrar disso, tenho certo nojo de pertencer a esta raça.

Era óbvio que aquilo não daria em nada e já sabíamos o resultado. Antes da primeira martelada, o cenário muda drasticamente. Não é a protagonista que está lá e sim outra mulher no que mais parece um clube de garotas. Aqueles mesmos que contam com dançarinas e tal e a personagem principal está lá, sendo apresentada normalmente como se fosse a mais nova caloura.

Todo o processo lobotômico é retratado apenas como uma atuação para uma peça qualquer e tudo parece ser apenas mais um dia normal.

Finalmente temos apresentada a protagonista como "Babydoll" e ela deve treinar para ser a mais nova dançarina do local. No meio dessse processo, acontece o primeiro pensamento steampunk em que ela tem que lutar contra samurais de pedra que seguram rocket launchers em um local com neve e um monge que dá as dicas mais sem sentido que já vi na vida.

Tá... beleza... ok. Não tá meio frio pra esse vestimento não?

O filme todo conta com essas partes. Não se surpreenda.

Após vencer a batalha sem sofrer um arranhão, é revelado aos espectadores que ela dançou muito bem, melhor que qualquer uma do local. Não me surpreendo, ainda mais vindo de alguém que consegue vencer samurais de pedra com uma simples espada.

Com tais dicas de tal monge (que não parece um monge e eu não confiaria nele), Babydoll busca a chave do sucesso para sair dali. Aos poucos vamos descobrindo que todas são obrigadas a estarem lá e buscam fugir de qualquer jeito, por isso aceitam participar do processo de "libertação" com ela.

Basicamente Sucker Punch é que nem meus posts: começam fugindo do assunto, andam de uma forma meio estranha, mas no fim das contas acabam chegando em algum lugar.

Sem mais spoilers e delongas, vamos ao ponto filme.

Não confie em monges com cabelo.

Sucker Punch é exatamente o que promete ser: bobinho, divertido e frenético. As únicas coisas que parecem ser complexas no filme são explicadas até o seu final, não dando margem a discussões que nunca chegam a lugar algum.

É, tipo aqueles filmes que deixam um final a base de interpretação e a verdade é que nunca saberemos o que significava na realidade. Só podemos ficar no "eu acho que...".

Nada contra filmes sem muitas explicações, mas tem uns que abusam.

Também há um grande apelo sexual. Como assim? Bem, imagine que todas são heroínas, ou seja: femininas e todas elas contam com uma anatomia que excita a maioria dos indíviduos do sexo masculino...

...e alguns do feminino também. Todos tem seu direito de escolha.

"Hum... estou encrecada?"

Muitos criticam tal fato, dizendo que quanto "mais gostosura, menos cerebro", mas Mundo Surreal (arg) prova que é possível sim ter um pouco dos dois.

Tá, muito mais um do que outro, mas tudo bem.

As atuações são apenas meeiras. Todos os principais são jovens e pouco conhecidos (excetuando Vanessa Hudgens), logo são inexperientes e deixam claro tal coisa.

A própria Babydoll tem uma voz irritante, o que tira pelo menos metade de sua gostosura.

E um ser chamado "Blue" tem o bigode mais latin lover que já vi em um lugar. Simplesmente incrível.

Dude, quer o significado de latin lover? A imagem acima é perfeita.

O enredo é como eu disse acima: surpreende por ser um pouco melhor do que esperávamos que fosse. Envolve uma leve crítica aos interesses humanos e o que estes podem causar, envolve madness (MADNESS!) e além disso tudo diverte o espectador.

O desenvolvimento pode deixar quem assista meio perdido e causar diversos "wtf?", mas no fim tudo se ajeita perfeitamente.

A temática é de certa forma inovadora. Não que o próprio steampunk não tenha sido utilizado em várias categorias do entretenimento (como jogos), mas certamente vai demorar para vermos um uso tão abusivo do mesmo. Nada a reclamar por sinal. É do tipo: "o filme é mentiroso e em muitos momentos não parece fazer sentido algum, mas eu já fui preparado para ver exatamente isso".

Um dos fundamentos que considero como principal para criticar algum filme é justamente sua expectativa sobre ele. Diga que o que você assistiu é ruim, mas ao menos admita que foi ver já achando que era ruim ou que esperava mais... esse tipo de coisa. Criticar filmes de comédia por faltar drama é o mesmo que reclamar que um dia em Salvador está quente.

Oras bolas, "dia quente" em Salvador é uma grande redundância, meus caros.

Podemos ganhar a primeira guerra fácil usando robôs gigantes! Diabos, como não pensaram nisso antes?

O diretor de Sucker Punch é Zack Snyder. Mesmo que tal nome não pareça familiar para você, com certeza o conhece e provarei isso com uma simples pergunta: já assistiu Watchmen, 300 ou Madrugada dos Mortos?

Viu que você conhece?

O filme conta exatamente com o mesmo uso de efeitos especiais, slowdowns, jogo de câmeras e maquiagem desses filmes citados. Muitos não gostam e acham "bobo" ou "excessivo", mas não esperem mudanças. Aliás, esperem sim: se as obras de Zack já trazem um grande tom de irrealidade, em Sucker Punch isso é bem mais acentuado. Independente disso é inegável que são de extrema qualidade e causaram um gasto de alguns milhões extras.

O final não só prova porque deve existir, como explica quase tudo. Se há alguma parte importante no filme, esta é o final. Também é meio que inesperado e qualquer coisa inesperada por mim ganha um sorriso colgate de minha parte.

Amém! Finais clichê são um pé no saco, assim como "finais-meio".

"Professora, uma dúvida..."

"Final-meio" é um termo que costumo utilizar quando um filme acaba, sendo que NÃO ERA PRA ACABAR NAQUELA HORA e não tem a menor cara de finalização e sim de desenvolvimento.

Tem também o "final-epílogo", aquele que ocorre tarde demais, estragando tudo ou quase tudo. A maioria costuma dizer quando isso ocorre que "Porra, o filme deveria ter acabado em tal parte".

Entendeu agora porque muitos o criticam, Inteligência Artificial?

Hum... não já vi esse cara de algum lugar?

Enfim (amo meu "enfim").

Sucker Punch é o tipo de obra em que se vai apenas para ver algo mentiroso, divertido e que sirva de passatempo. No fim das contas cumpre isso muito bem e mais um pouco com um enredo com algo além do "simples e dever de casa", causando um sentimento de satisfação que faz quase esquecer que o custo de uma ida ao cinema no Brasil é um absurdo.

É verdade... gastei pelo menos uns 30 nessa ida... GOD DAMN IT! Por que zorra fui lembrar disso?

Rá! Viu que funciona mesmo?

O seu "fun factor" é bastante alto e com isso recomendo para todos que querem refrescar sua cabeça no cinema e não sabem exatamente o que assistir.

Ou a depender de quando você esteja lendo isso aqui, na escolha do DVD/Blu-ray.

Pra compra, claro. Alugar um filme é uma completa burrice hoje em dia.

Não tentem me convencer do contrário, não irão conseguir.

And one more thing...

...

...

...comentem.

**Awesome face**


Você tem uma minigun, pois eu tenho AS MÃOS! RÁ!

_____________________________________________________________________________

End (or is that it?).

Lutei, lutei, lutei e consegui terminar isso na sexta. Perto do sábado, mas ainda na sexta!

Domingão o Especial Doom continua com Doom II e voltaremos a nossa programação normal.

Terminei então... VOU JOGAR NO ZDAEMON!

**Vida real off**.

PS: ouvindo música eletrônica o post rendeu rápido. Já sei a fórmula de esfolar meus dedos quando precisar digitar rapidamente.

o/

6 comentários:

Prosinecki disse...

O melhor do filme é a "mensagem positiva" do final e o monge maluco e as frases de efeito que ele solta, "If you fight for nothing, you'll fall for anything" é awesome \,,/_

Anônimo disse...

Esse quero ver por ser o msm diretor de "Watchman", apesar que "300" foi meio fraco. Estranho que esse filme parece ser o oposto em apelo sexual que o 300. Eh como se os amigos do diretor tivesse sacaneando ele por causa do bando de homem semi-pelado no 300, ai ele decidiu dar um soco-surpresa (sucker punch) na cara dos fdp's. "Ta me chamando de viado eh, seus sacanas? Olhe essas gostosas que eu dirigi por um ano de gravacao!!!RA!!!"
Ou entaum o cara eh bisexual!!! Ao menos que as minas do filme sejam, nao to nem ai pra escolha do diretor!!!Mais uma sena Black Swan! \o/


FFFUUUuuuiiii!!!!
P.S.: "Os carateres exibidos na imagem acima" que tive que digitar: addlesb lol

Lucs disse...

Capa/Cartaz bem legal,viu...
Hm,eh,ah...
Tem aquela coisa lá atrás que parece o Big Daddy .-.
Qual seria o público alvo de um filme desses?

Aaa disse...

Boa pergunta, Lucs. Por alguma razão me chamou a atenção, mas nem eu saberia identificar quem mais teria sua atenção chamada aehaeuhaehu.

Meu amigo (que viu o filme comigo) também ficou doido pra ver. Não sei o que temos em comum.

Claro que a capa é bonita, principalmente pelas raparigas nela xD

Vinicius disse...

@Lucs
Até você falar isso, eu achava que eu era o único maluco que notou isso, ainda bem. xD

Anônimo disse...

MKUltra

se ver através da analise feita neste link abaixo, verá que a coisa é ainda mais seria.

http://danizudo.blogspot.com.br/2012/05/sucker-punch-ou-como-fazer-controle.html